SOBRE A MESA: GARDENS

SOBRE A MESA: GARDENS

    por -

    TopBox_Gardens_finalJardineiros trabalham simultaneamente para construir um belíssimo jardim. Muitas flores, pequenas pontes sobre cálidas águas e caminhos suavemente sinuosos que convidam a passear às vésperas de verão. O único problema é que os jardineiros têm preferência por um tipo de flor e eles farão de tudo para que sua opção prevaleça, disputando cada pedaço disponível ou até mesmo impedindo a passagem de seus colegas concorrentes de trabalho. Pense em um reality show de jardinagem com toda a típica briga de egos e chiliques.

    Gardens é um jogo lançado este ano na Europa e disponível no Brasil pela Devir. Interessante que ele ainda não foi lançado nos Estados Unidos em uma das raríssimas vezes que estamos à frente do grande mercado americano. Vejamos se o jogo tem potencial para uma bela flor ou uma erva daninha.

    1
    Abri antes dos americanos! Tomem essa!

    Mecânica:
    – Colocação de Cartelas de Território (Tile Placement)
    – Reconhecimento de padrão

    A partida começa com a colocação de um mesmo tile central. A partir dele o jardim é construído conforme os jogadores forem comprando outros tiles da pilha de compras. Caminhos precisam encostar em caminhos, água com ág… Ei! Para tudo! Mas isso é Carcassonne!!! (confira nosso review de Carcassonne aqui) A comparação é inevitável, pois o princípio básico dos dois títulos é o mesmo. Gardens tem, no entanto, alguns elementos diferenciados que refrescam a experiência.

    pic1950612_md
    E o jardim vai ganhando vida…

    Cada jogador começa com um de seus dois jardineiros no tile central comentado acima. Cada nova cartela colocada vai formando caminhos pelo jardim e seu jardineiro inicial precisa conseguir alcançá-lo, afinal ele é o responsável por ter construído aquela parte. Jardineiros bloqueiam jardineiros e além da incompatibilidade do desenho dos tiles como acontece em Carcassonne, a impossibilidade de seu jardineiro chegar à nova peça coloca mais uma camada estratégica. Há ainda a possibilidade de um tile ser colocado fora das regras acima, mas para tal o jogador deverá utilizar seu segundo e último jardineiro. Precisando trazer um de seus trabalhadores de volta? Tudo bem! Basta descartar uma nova peça comprada para resgatar o moço.

    E as flores? Quando o encontro dos tiles fecha uma floreira, ou seja, quando os quatro quadrantes são colocados, verificamos se alguma cor de flor é preponderante. Se for o caso, o jardineiro daquela cor pontua, colocando um tile circular correspondente. Vamos adubar com um pouquinho mais de estratégia: o fato de alguém fechar a floreira não garante a pontuação para ele já que o arranjo completo pode favorecer o jogador de outra cor!

    3
    “Oooolhaaaa, está chovendo na roseira…”

    A pontuação final é das mais simples que há por aí. Veja qual jogador tem mais floreiras circulares de sua cor e pronto. Em caso de empate, verifica-se quais cores de flores estão nos quadrantes abaixo destes tiles.

    Considerações finais:
    Interessei-me pelo jogo, inicialmente, pelo tema. Depois pelo seu estilo “carcassônico”! Neologismo mais ridículo que já inventei, confesso! Para quem gosta ou não do clássico jogo da cidadela francesa, Gardens é uma lufada de ar fresco. Em suma: se você gosta de Carcassonne, gostará de Gardens; se você não gosta do primeiro, talvez goste do segundo.

    2
    Gardens é muito simples de ensinar, contém boa dose estratégica, mas é acessível a novos jogadores. O tema é leve e familiar e seu visual colorido chama a atenção. Digamos que tem os pontos fortes de Carcassonne (mecânica, facilidade) e Ticket to Ride (visual colorido, tema agradável), tornando-o um excelente jogo de entrada. Não pretende inovar ou revolucionar, mas cumpre muito bem o que propõe.

    Pontos positivos:
    – Simplicidade
    – Tema familiar
    – Boa opção para iniciantes
    – Agradável também para jogadores experientes que buscam algo no estilo tile placement

    Pontos negativos:
    – O mesmo caso da sorte em Carcassonne com a compra de tiles

    Ficha Técnica:
    Jogadores: 2 a 4
    Idade: a partir de 8 anos
    Duração: 45 minutos
    Tipo: caixa básica
    Fabricante/Desenvolvedora: Kosmos/Devir (no Brasil)
    Preço Médio: R$ 130,00

     

    Lucas Andrade (Lukita ou Meistre Lucas) "O Homem que se Espalha": A mente geradora da fagulha primordial responsável pela materialização do grupo. É ou foi professor de Matemática de todas as pessoas de gerações mais novas que conhece. É presidente e provavelmente o membro mais empenhado em idealizar novos projetos, iniciativas e firmar parcerias. Tente comer durante as partidas ou amarrotar a toalha oficial das mesas e verá despertar nele um tique nervoso capaz de tirá-lo de seu estado racional. O fato de ser adepto e precursor no grupo do modo de jogo intitulado por ele mesmo "Red Lukita vs. Blue Lukita" revela um aspecto esquizofrênico de sua personalidade. Não joga à vontade sem uma trilha sonora que remeta ao jogo que estiver à mesa. Outros interesses: ópera e música clássica em geral, quadrinhos da DC Comics, esportes americanos, séries de TV, clássicos do cinema.

    3 COMENTÁRIOS

    1. Lucas, primeiramente gostaria de agradecer pelo ótimo conteúdo que você disponibiliza em seu site. Em caso de um tile retirado do monte e que nao se encaixe em nenhum dos que tao em jogo, o que deve ser feito?

    Deixe um Comentário