SOBRE A MESA: EIGHT-MINUTE EMPIRE: LEGENDS

SOBRE A MESA: EIGHT-MINUTE EMPIRE: LEGENDS

    por -

    Ryan Laukat é um tipo de designer com espírito renascentista. O jovem “faz tudo” desenvolve, desenha e publica seus próprios jogos. Como se ainda não bastasse, dirige sua própria empresa: a Red Raven Games.
    O jogo dele mais conhecido no Brasil é, provavelmente, o “Império em Oito Minutos“, lançado pela editora DEVIR em 2013.

    Cabe lembrar que os jogos de Laukat não se limitam a “franquia” “Eight Minutes”. Ele é o artista e o designer de jogos como The Ancient World, Above and Below, City of Iron e Empires of the Void.

    Uma curiosidade: Você sabia que o garoto prodígio também participou como artista de várias cartas de Dominion?

    Mas vamos parar de falar no homem e vamos falar de uma de suas obras!

    Eight Minutes Empires: Legends mantém as mecânicas básicas do primeiro jogo da série, ou seja, de ações guiadas por cartas e domínio territorial.  Mas as semelhanças param por aí.  Diferentemente do primeiro jogo, além das ações temporárias que as cartas concedem aos jogadores, elas têm outros papéis como conceder habilidades permanentes, dando todo um sentimento de evolução no decorrer da partida.  Além disso, o jogo apresenta as cartas de líderes, generais com poderes diferenciados para o seu império.

    Mecânicas:
    – Coleção de cartas
    – Controle de área
    – Jogadores com poderes variáveis
    – Tabuleiro modular

    O objetivo do jogo é o mesmo do seu antecessor: ter a maioria de tropas no maior número de regiões, a maioria de regiões dominadas em cada ilha e pontuar as cartas adquiridas no decorrer do jogo.  As principais diferenças na pontuação são a adição das cartas de elixires, a forma com que as cartas pontuam e os tokens de região (estes são opcionais, mas a adição deles na partida é altamente recomendada).

    Durante o setup alguns tabuleiros modulares são sorteados, bem como a carta de líder de cada jogador.

    No início da partida, cada jogador aposta uma quantidade de moedas para tentar (ou não) ser o primeiro jogador.  As moedas utilizadas no leilão da posição de primeiro jogador são as mesmas utilizadas para comprar as cartas.  Os jogadores devem tomar cuidado para não queimar muitas (ou todas) moedas no leilão inicial!

    As cartas são dispostas em forma de esteira, a primeira carta não possui custo e as demais possuem o custo de uma moeda, duas e três moedas. Quando uma carta é comprada, outra entra no final da esteira. As cartas possuem ações básicas no seu rodapé, que podem ser executadas imediatamente após a compra.

    As ações básicas são:

    Mover: Mova uma ou mais tropas (cubos da sua cor) igual ao número de símbolos de movimento.  Por exemplo, se a carta conceder dois movimentos, você pode mover uma tropa por duas regiões terrestres ou mover duas tropas (um movimento para cada).  Diferente da versão original, o movimento por água é realizado com este mesmo tipo de ação.  Neste caso, um movimento por água custa três movimentos por terra.

    Recrutar: Adicione uma ou mais tropas igual ao número de símbolos de recrutamento na cidade neutra (cidade inicial) ou em uma cidade própria.

    Fundar cidade: Funde uma cidade em uma região que contenha pelo menos uma tropa sua.

    Eliminar: Elimine uma tropa de um oponente que divida uma região com alguma tropa sua.

    As cartas podem trazer ações individuais, com duas opções (OR) ou duas ações na carta (AND).

    Quando se adquire uma carta, a mesma concede um bônus específico. Na maioria dos casos, o bônus é permanente. As cartas podem conceder um bônus para combinação de pontos para uma coleção de cartas específicas, moedas extras, bônus para o jogador recrutar tropas; outras incrementam a movimentação, elixires, poderes especiais e algumas dão aaaaasas! Como diria o Lukita: “Red Bull, paga nóis!”.  Cada asa que você possui reduz o custo em um ponto quando houver movimento por água de suas tropas.

    O jogo acompanha diversos tokens que funcionam como uma mini-expansão.  Mas é altamente recomendável que sejam utilizados, pois é um temperinho tão bom que não pode ficar de fora da partida.

    Existem tokens secretos que são revelados ao primeiro jogador que chegar naquela região.  Os tokens secretos podem trazer diversos tipos de bônus.  Ainda temos os tokens de citadela que dão pontos adicionais ao jogador que dominar aquela região, tokens de ladrões que roubam uma moeda ao atravessar, ou parar, naquele local específico, tokens de portais mágicos que teleportam as suas tropas para outro portal do tabuleiro e o token de dragão que precisa de sete tropas (de qualquer cor) para ser derrotado.

    O final do jogo depende do número do número de cartas reveladas, quanto mais jogadores menos cartas são necessárias para disparar a última rodada.  A pontuação se dá por região conquistada (1 ponto), ilha conquistada (1 ponto), maior quantidade de elixires (2 pontos) e cartas bônus.  Caso estejam utilizando a mini-expansão que acompanha o jogo, as citadelas dominadas concedem 1 pontos extra, o token de dragão derrotado vale dois pontos e o tomo mágico também dá um ponto adicional.

    Considerações Finais:
    Eight Minute Empires Legends
    conseguiu utilizar o sistema básico do seu antecessor e ampliar exponencialmente as possibilidades de jogo.  As cartas de líderes tendem a definir a sua estratégia, embora a influência das cartas disponíveis para a compra ainda tem a maior influência no jogo.

    Possui ainda uma expansão foi lançada em 2014, chamada de “Lost Sands”, que é praticamente um jogo novo (vou deixar para um futuro artigo de nossa seção Expandindo a Mesa).  Adiantarei apenas que foi a melhor expansão que já comprei até o momento na minha “curta” vida de board gamer.

    lost sands

    Voltando ao jogo básico, seu principal defeito é a sombra do seu antecessor: é impossível jogá-lo em oito minutos.  Na verdade, o tempo médio das partidas costuma ser algo em torno de 45 minutos.  No final das contas, o termo “eight minutes” acabou virando uma franquia que espero que continue gerando bons frutos.

    Pontos Positivos:
    – Regras leves
    – Alta rejogabilidade
    – Altíssima interação
    – Arte bonita

    Pontos Negativos:
    – Simples demais para alguns jogadores
    – Dependência de cartas boas e moedas para compra pode limitar as opções e frustrar algum jogador
    – Leva bem mais que oito minutos

    Ficha Técnica:
    Jogadores: 2 a 4
    Idade: a partir de 8 anos
    Duração: 45 minutos
    Tipo: caixa básica
    Fabricante/Desenvolvedora: Red Raven Games
    Preço Médio: R$ 150,00

     

    Moisés Pacheco (Moita ou "El Cabrón") Seu apelido, Moita, tem origem tão obscura quanto sua paixão pela obra de Lovecraft. Caprichoso, é o mestre no grupo na arte do print & play e costuma usar de soluções práticas para organizar os componentes de seus jogos, como os diminutos baús de tokens que volta e meia dão o ar de sua graça nos encontros do On Board. Reza a lenda que ele possui em casa um baú muito maior (antigo e sinistro...) de onde surgem misteriosamente as centenas de jogos alternativos e underground de sua coleção. Outros interesses: gastronomia, viagens, Lovecraft, ficção científica, artesanato, cervejas artesanais, coisas pouco coloridas para não confundir, rock, metal, blues, pós punk e tecnopop anos 80.

    SEM COMENTÁRIOS

    Deixe um Comentário