SOUNDBOARD: TRILHA SONORA PARA DEAD OF WINTER

SOUNDBOARD: TRILHA SONORA PARA DEAD OF WINTER

    por -

    DEAD OF WINTER

    Os zumbis nascem diferentes. Claro, segundos depois a fome por cérebros os tornam todos iguais.  Por serem os mortos-vivos deste gênero tão semelhantes e previsíveis, a mídia em geral também não se esforçou muito em diferenciá-los. Achar um produto, seja livro, filme, série, quadrinho, jogo que se destaque pela qualidade, em meio a esta horda maldita, é mais difícil do que encontrar cérebro fresco.

    Mas vamos focar nos jogos de tabuleiro, por isso você chegou aqui, certo? Jogos com zumbis! Uma mina infindável de dinheiro popularizada pela franquia Zombicide. Ao mesmo tempo responsável pelo sucesso e pela ira ao gênero.  Dead of Winter, contudo, tem tanta lógica em ser comparado com Zombicide, assim como os motivos de um corinthiano que não quer comer salada apenas porque é verde.

    Sempre falo em exercícios que você deve fazer para escolher a trilha certa. Tanto que, das mais de oitenta opções que você encontra neste site, a minha mais polêmica é, justamente, a trilha para Zombicide. Porque neste caso, usei uma análise similar a que farei aqui: não pense no tema, pense no clima do jogo. Zumbis nos dois casos, mas Zombicide é maluco, caótico, pop, Tarantino. Dead of Winter é triste, de uma melancolia deprimente, paranóico, claustrofóbico. O clima dita a música. Neste caso, aquela trilha “tensa” que você tanto insiste em querer colocar em jogos de zumbis até serve. Mas tenho coisa melhor.

    pic2025811_lg

    Vamos buscar nas diversas mídias, pedindo auxílio aos compositores que já refletiram sobre o tema e, para fixar, sobre o clima. Encontramos boas trilhas em jogos, filmes, séries e nossa trilha de hoje vem de jogo. Quando temos um vencedor, duas vezes de Oscar, não tem para ninguém!

    cover170x170Álbum: The Last of Us (Video Game Soundtrack)
    [link para o álbum]

    Gustavo Santaolalla levou o Oscar de melhor trilha sonora em dois anos consecutivos (Brokeback Mountain e Babel) e assinou as sonoridades de The Last of Us, sucesso absoluto de público, crítica e vendas para os consoles PlayStation.

    O argentino oferece aqui uma paleta sonora perfeita, repito, perfeita para Dead of Winter. Poucos instrumentos por faixa, ritmos lentos, um cenário vazio e deveras triste. Lembra Ry Cooder na trilha de Paris, Texas, algumas vezes.

    Chega de papo e vamos ouvir algumas faixas.

    Na minha ideia usual de termos uma música tema para o jogo, que tal a faixa de abertura, The Quarantine Zone? É pegar a caixa e tocar a música na sua cabeça.

    OUÇA UM TRECHO DE THE QUARANTINE ZONE:

    Dead of Winter não é um jogo sobre zumbis, mas sim sobre a crise do senso de comunidade ante uma situação limite. Aí reside sua tristeza. O conceito de humanidade é testado a cada rodada, a escolha entre o pessoal e o de todos. Para os momentos de reflexão ou da percepção inevitável da crise social gerada pelo apocalipse, que tal essa?

    OUÇA UM TRECHO DE THE CHOICE:

    Santaolalla deixa os momentos mais tensos nos sons percussivos, nada de acordes dissonantes clichês que se ouvem às dúzias nos filmes e jogos de terror.

    OUÇA UM TRECHO DE BY ANY MEANS:

    Na playlist selecionada abaixo, coloquei também o volume 2 de The Last of Us que conta com a participação de outros nomes, mas formam um conjunto sonoro muito coeso para nossas seções de Dead of Winter. Como sempre, ouça a lista no modo aleatório.

    PLAYLIST SELECIONADA:

    Abraços analógicos.

    Lucas Andrade (Lukita ou Meistre Lucas) "O Homem que se Espalha": A mente geradora da fagulha primordial responsável pela materialização do grupo. É ou foi professor de Matemática de todas as pessoas de gerações mais novas que conhece. É presidente e provavelmente o membro mais empenhado em idealizar novos projetos, iniciativas e firmar parcerias. Tente comer durante as partidas ou amarrotar a toalha oficial das mesas e verá despertar nele um tique nervoso capaz de tirá-lo de seu estado racional. O fato de ser adepto e precursor no grupo do modo de jogo intitulado por ele mesmo "Red Lukita vs. Blue Lukita" revela um aspecto esquizofrênico de sua personalidade. Não joga à vontade sem uma trilha sonora que remeta ao jogo que estiver à mesa. Outros interesses: ópera e música clássica em geral, quadrinhos da DC Comics, esportes americanos, séries de TV, clássicos do cinema.